A perda de massa muscular é uma questão de tempo

20/ago

Junto com os sinais clássicos da idade, como pele enrugada, perda de cabelo e postura encurvada, é comum perceber também a necessidade de mais tempo e esforço para realizar atividades que antes pareciam simples. Essa dificuldade ocorre por conta da Sarcopenia, um processo natural e progressivo da perda de massa muscular, decorrente do envelhecimento.

Mas, o que isso significa na prática? Quanto menor o volume de massa muscular da pessoa, menos força e efetividade, o que acarreta em maior risco de quedas e fraturas (muito comuns em pessoas da terceira idade). Além do mais, a musculatura saudável também é importante para ajudar na imunidade, densidade óssea e regulação da temperatura.



Médico geriatra e diretor do Núcleo de Estudos Clínicos em Sarcopenia, João Toniolo diz que muitos pacientes chegam ao seu consultório relatando ter mantido o mesmo peso desde a juventude. Porém, quando realiza o teste de composição corporal, confirma que aproximadamente 80% do peso é gordura, ou seja, a pessoa conseguiu manter o peso ganhando gordura e perdendo massa muscular. Ainda segundo ele, “a sarcopenia atinge 40% da população acima de 65 anos e 60% dos indivíduos com mais de 80 anos. Fala-se muito de osteoporose, que é a diminuição progressiva da densidade óssea, de infarto, AVC e perda de memória, mas bem pouco da perda de músculos”.

No fim das contas, levar uma vida saudável, com exercícios regulares e alimentação balanceada, até ajudam a manter sua saúde muscular, mas ainda não são suficientes para evitar completamente a perda progressiva dos músculos. Por conta disso, a suplementação assume um papel importante nesse cenário, auxiliando no fortalecimento e recuperação muscular, para que todos possam usufruir da liberdade e mobilidade na melhor época da vida.